Crianças e o mundo virtual

Oi gentem! Recebi essa pauta por email e achei legal compartilhar com vocês. Em tempo que quarentena, crianças em casa, muitas usando eletrônicos para interagir com amigos, distrair e até mesmo estudar.

Crianças e o mundo virtual: é possível encontrar um equilíbrio?

Renomados especialistas em relacionamento familiar, Gary Chapman e Arlene Pellicane, reúnem na obra “A Criança Digital” orientações para o uso consciente das tecnologias na infância.

As mudanças da convivência familiar com o isolamento social têm revelado uma nova realidade nos relacionamentos interpessoais: em meio ao caos, o acesso à internet tem sido a única saída para distrair as crianças e adolescentes. Os pais estão tentando dar conta dos empregos, da casa, da saúde e, claro, dos jovens.

Então, para oferecer soluções eficazes, a Editora Mundo Cristão traz para o Brasil a obra “A criança digital: Ensinando seu filho a encontrar equilíbrio no mundo virtual”, de Gary Chapman e Arlene Pellicane. Essas duas autoridades em relacionamento familiar abordam de forma equilibrada, as práticas para que pais e mães contornem a situação de maneira positiva. Longe de propor uma postura antitecnologia, Gary e Arlene descortinam formas para que a família possa aliar os benefícios das tecnologias digitais com a utilização adequada e saudável de tais recursos.

“As telas não são o problema; o problema é a frequência com que as usamos. Que atividade preenche o tempo livre de seu filho? Para a média das famílias, tempo livre é igual a tempo diante da tela. Uma coisa é reunir a família diante da televisão para assistir a uma série. Trata-se de um tempo intencional diante da tela que pode aproximar ainda mais a família. Outra coisa é clicar de canal em canal, aleatoriamente, dia após dia. Esse tempo não programado tende a ser desperdiçado e tornar-se influência negativa.” (Gary Chapman e Arlene Pellicane em A criança digital)

Por meio de pesquisas e uma série de relatos ilustrativos, os escritores promovem uma análise acerca da dinâmica dos lares “conectados” no dia a dia e mostram as complicações que o tempo em excesso diante das telas pode trazer para o relacionamento interpessoal e o desenvolvimento intelectual e físico das crianças.

“A criança digital” apresenta sugestões práticas para evitar que os jovens façam mau uso ou uso excessivo dos benefícios do mundo digital, além de trazer dicas de como equilibrar o tempo deles diante das “telas”. Altamente prático e com ideias criativas para atividades lúdicas e programas em família, o livro não aponta somente problemas, como também mostra soluções com o objetivo principal de estimular outras opções de lazer que colaboram com a sociabilidade e o consequente fortalecimento dos laços afetivos.

Ficha técnica

Código: 11110

ISBN: 978-65-86027-01-3

Páginas:  256

Formato: 14 X 21

Categoria: Família

Preço: R$ 54,90

Lançamento: maio/2020

Link de venda: Amazon e E-commerce Mundo Cristão

Sinopse: A criança de hoje nasce digital. Se é verdade que a tecnologia apresenta muitas vantagens, é igualmente verdadeiro que o mau uso ou o uso excessivamente precoce traz inúmeras preocupações para os pais. A boa notícia é que existem maneiras de equilibrar tecnologia, família e sociabilidade. Descubra através das sugestões de dois renomados especialistas em relacionamentos familiares.

Sobre os autores:

Gary Chapman é doutor em antropologia e autor de mais de 30 livros, incluindo o celebrado As 5 linguagens do amor. É casado com Karolyn, com quem tem dois filhos e três netos.

Site | Facebook | Twitter

Arlene Pellicane é palestrante, escritora e apresentadora do Happy Home Podcast. É casada com James, com quem tem três filhos.

Site | Facebook | Instagram

Podcast: “The Happy Home Podcast with Arlene Pellicane” (várias plataformas)

Para outras informações, entre em contato:

LC – Agência de Comunicação

Gabriela Cuerba e Genielli Rodrigues

Você pode gostar também

5 comments

  1. Heey, Jeane.
    Eu acho um tema muito interessante para ser tratado ainda mais no momento em que estamos passando. As crianças precisam se divertir mas tudo deve ser de uma maneira saudável. Vi minha sobrinha já mexendo no celular com 1 ano, mesmo sem não entender nada rs. A tecnologia é saudável quando há limites e não deve ser excluída das crianças.

  2. Achei muito interessante o tema abordado no livro, porque a tecnologia seduz as crianças e não temos como evitar isso. Então o melhor pe aprender como lidar com a situação. Adorei a dica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *